Call for Papers

 

Panel 1

Architectural periodical press:
reception and dissemination of practices and theories

Margarida Brito Alves / Rute Figueiredo

Since the close of the 20th century, the global dynamics of contemporary culture have redrawn the relationship between Architecture and the mass media, and in particular specialized periodicals. Architecture has thus been gaining a growing visibility in the public domain, which has simultaneously brought on greater contents homogeneity and, conversely, an atomization of discursive perspectives.

From its origins still in the 19th century, the periodical press on architecture was used as a key mechanism for disseminating and exchanging ideas, conventions, languages and technical novelties, thus linking endogenous and exogenous cultures. However, towards the end of the 20th century, the obsolescence of a binary conception of territory (until then divided into center and periphery), and a surge in mass dissemination media and alternative communication means, have challenged the role of magazines as common dissemination vehicles.

This session’s aim will be twofold. On the one side, it will consider how and in which circumstances such exchanges were facilitated by magazines in the past, and to what extent relations between peripheral and central cultures benefitted from this type of press to convey and share ideas. On the other side, it will discuss whether in a new, polycentric cartography, the periodical press on architecture has managed to generate grounds for shared reflection, keeping up its contents exchange and dissemination role.

 

Panel  2

Autochthonous, tropical and modern: architectural periodicals looking beyond Europe

Ana Vaz Milheiro

Portuguese architecture kept specially close links with other architectural expressions from outside Europe – Brazil, the broader South-American continent, Africa, India and Oceania. This will be the premise to reflect on the coverage and reception that the latter enjoyed in architectural periodicals both in Portugal and in the rest of Europe. The aim is to explore the relevance that non-European architecture had in such publications and the kind of discourse that accompanied its dissemination. More specifically it will ask:

1 – What kind of reception can be identified in Portuguese periodicals?
2 – How did the dissemination of these architectural developments contribute to shaping and/or consolidating new concepts, such as tropical architecture and architecture without architects?
3 – How are the various European contexts expressed in different kinds of reception, and more specifically, how does this relate to a colonial perspective or, on the contrary, to a more disciplinary perspective?
4 – To what extent did the presence of projects from distant geographies in European periodicals contribute to identitarian phenomena and to reconstruct transcontinental cultural identities, now in a post-colonial frame?

The chronological scope of this session will cover the period from the end of World War I up to 1974, coinciding with a time in which periodicals took an increasing role in the creation of an autonomous discourse, and with the end of the major European colonial cycles. Geographically, the intended scope will include Portuguese and European publications and architectural developments from Brazil, Latin America, Africa, India and Oceania.

 

Panel 3

Case Studies: Theory and Practice

Paulo Tormenta Pinto/ Daniela Simões/ Catarina Diz de Almeida

In Privacy and Publicity. Modern Architecture as Mass Media (1994), Beatriz Colomina explored the press’ contribution to the establishment of the Modern Movement, delving for this purpose into the archives of Adolf Loos and Le Corbusier. Clip/Stamp/Fold: The Radical Architecture of Little Magazines 196X-197X (2006-2007), an exhibition curated by the same author, revisited several Architecture and Urban Planning magazines and their protagonists. These contributions became landmarks in contemporary research on the editorial culture around architecture, whether in specialized or mainstream periodicals. By collating the various editorial projects, it is possible to identify crossovers, appropriations, program guidelines and manifestos.

This panel intends to foster a debate based on architectural publication case studies, bringing to light both proximities and divergences between specialized periodicals, and correlations between architectural discourse and production (theory and praxis).

To this end, we are looking for proposals that attempt to map paradigms, movements, contexts and contents in the various editorial cultures.

 

Panel 4

Discourse and discipline

Rute Figueiredo / Margarida Brito Alves

Throughout the 20th century the discourse on the disciplinary field of architecture has undergone considerable changes. This period saw the relationship between architecture and other epistemic fields – such as art, technology and science – trace an oscillatory path that was marked by tensions between the desire to assert the discipline’s autonomy – visible not only in the consolidation of the Modern Movement in the first half of the century, but also, for instance, in the neo-rationalist approach of the 1970s, or in the post-structuralist stances of the 1980s – and a growing permeability in the boundaries between different areas of knowledge.

In this framework, the periodical press on architecture took on a key role in the discussion of disciplinary identities and in encoding new values. In doing so, it also reconfigured the logic of architectural culture production and dissemination.

Periodicals now constitute particularly suitable discursive grounds to research both (a) changes in the theoretical definition of an epistemic identity, and (b) the new configurations that that same identity takes on through the relationship it establishes with other knowledge fields. Based on this notion, this session will consider questions such as:

1 – To what extent has the disciplinary discourse on architecture been informed by codes and values promoted and established by architectural periodicals?
2 – What role have architectural periodicals had in defining/establishing such disciplinary boundaries?
3 – In what ways have artistic production, scientific activity and technological advances become fields of influence and interrelation, even intersection, with Architecture?

 

Panel 5

Discourse and Ideology

Paulo Tormenta Pinto / Daniela Simões / Catarina Diz de Almeida

An ideological discourse can be found to a greater or lesser degree in the structure and orientation of articles and editorial lines of architectural periodicals, working as a mechanism for disseminating a specific architectural creed. Within the debate on architecture one can identify both the shortcomings and opportunities associated to economic cycles, and the effect of the various agents operating on the construction of the city and land planning.

Ideology promotes relations of dominance, it fosters concepts which, in the case of the architectural discourse, often involve a championing of styles, ways of life, and regional, national or international characteristics. The symbolic or expressive element of published models can be related to the persuasive influence of political regimes or of certain groups on society in general.

This panel will approach the relationship between architectural production and ideological discourse in specialized periodicals through the following questions:

1 – How do architectural periodicals help to express and assert a specific set of architectural ideas?
2 – What shape does the debate take in specialized periodicals between the various movements [whether socio-political or artistic-architectural] striving to claim a certain ideological position?
3 – What correlations can be established between architectural editorial lines and the political regimes of particular time periods?

 

Panel 6

Social composition of architectural criticism

Inês Brasão

Specialized magazines and other disciplinary periodicals can be seen as arenas in which to assert trends and positions. However, and quoting Nuno Portas, in the Portuguese case architecture, unlike other knowledge fields, seems to be unscathed by criticism and contrary opinions. In spite of this generally uncritical climate, the specialized press has on occasion been the stage for ruptures and the assertion of affinities, thus redrawing the playing field and the peer relations within it.

Within this framework, the panel will seek to determine the degree of specificity in architectural criticism compared to that in other areas (literature, painting, sculpture, cinema). It will also attempt to draw the social map of such criticism, both from a sociological and a historical perspective; understanding whether the lexicon of this criticism is specific to the field by comparison to that produced in other arts and knowledge fields.

1 – Which criteria determine a critic’s excellence today?
2 – How does the critical discourse relate to the question of taste?
3 – What is the relationship between criticism and the awarding of prizes and other distinctions?

 

Panel 7

Relations between Architecture, Design and Visual Culture

José Bártolo

Architectural periodicals have generally provided an apt medium to experiment with new forms to visually represent architecture projects. Alongside technical drawing, other means such as photography, illustration, design and in some cases, visual essays, have been used in this representation exercise.

This takes the relevance of architectural periodicals beyond the disciplinary boundaries, and calls for their study from the point of view of discourse, in particular with regard to graphic design and visual culture. This interaction is equally visible when it comes to contents; publications such as A Construção Moderna, Arquitectura or Binário concern themselves with a broader disciplinary field which includes architecture, design and urban planning. The resulting production has been a key factor in the development of Portuguese design and in its theoretical framing.

The panel on Relations between Architecture, Design and Visual Culture will welcome proposals that explore and discuss the following issues:

1 – The importance of architectural publications in the history of Portuguese graphic design.
2 – Relations between project practice and its discursive representation, especially with regard to visual culture.
3 – Influence of international publications on the graphic design of national periodicals.
4 – The relevance of design by architects, its practice and theory.

 

Panel 8

The housing issue in architectural periodicals: the case of Macau

Jorge Figueira / Ana Vaz Milheiro / Rogério Vieira de Almeida

Over the last few decades, housing availability has presented a major problem in Macau, especially after gambling liberalization (1961) led to a development and immigration surge. Macau’s appeal extended to architects too, with a significant number choosing to develop a large part of their careers in the enclave.

This panel aims to discuss the relationship between housing – as a pressing and challenging issue in Macau – and the discourse on the problem in both periodicals and mainstream mass media. Specifically, the panel will seek to:

1 – Determine the specific nature of the housing issue in Macau.
2 – Understand the extent to which practices carried out in Macau since 1961 helped shape an alternative discourse to the practices developed in its colonial power.
3 – Explore the importance of architecture in forming an imagetic universe that finds expression in media as diverse as the cinema, literature or the written press.
4 – Reflect on the dialectic relationship between the housing solutions developed in a distant territory and those practiced in a European setting, as evidenced by their reception in architectural periodicals.

 

Painel 1

Imprensa periódica de arquitectura: recepção e difusão de práticas e teorias.

Margarida Brito Alves / Rute Figueiredo

As dinâmicas globais da cultura contemporânea reconfiguraram, desde o final do século passado, a relação entre a Arquitectura e os meios de divulgação massificados, nomeadamente a imprensa periódica especializada. Com efeito, a Arquitectura tem vindo a assumir uma crescente visibilidade no domínio público, que corresponde quer a uma homogeneização de conteúdos, quer — num sentido proporcionalmente inverso — a uma pulverização de perspectivas discursivas.

Se, desde a sua origem ainda no século XIX, a imprensa periódica de arquitectura foi tomada como mecanismo central para a disseminação e troca de ideias, convenções, linguagens, ou novidades técnicas, ligando culturas endógenas e exógenas; a partir do final do século XX a superação de uma visão binária do território (entre centro e periferia), a par da profusão de instrumentos de difusão massificada e da criação de suportes alternativos de comunicação, questionou a função da revista enquanto suporte comum de difusão.

O propósito desta sessão será, por um lado, analisar de que modo, e em que circunstâncias, essas trocas foram proporcionadas pelas revistas no passado, e até que ponto a ligação entre culturas periféricas e centrais beneficiou deste suporte como mecanismo de articulação e de partilha de ideias. Por outro lado, procurar-se-á discutir se numa nova cartografia, de natureza policêntrica, a imprensa periódica de arquitectura tem tido a capacidade de produzir territórios de reflexão partilhados, mantendo uma função de troca e disseminação de conteúdos.

 

Painel 2

Autóctone, tropical e moderna: o olhar das publicações periódicas de arquitectura para lá da Europa.


Ana Vaz Milheiro

A arquitectura portuguesa manteve um contacto privilegiado com outras expressões arquitectónicas vindas de fora da Europa – do Brasil, do continente sul-americano, de África, da Índia e da Oceânia. Este facto é o ponto de partida para uma reflexão sobre o eco e a recepção que estas realizações tiveram nas publicações periódicas de arquitectura, tanto em Portugal como na Europa. Pretende-se reconhecer qual a importância que a arquitectura extra-europeia tinha nas publicações e quais os discursos que ao longo dos anos acompanhou essa divulgação, designadamente:

1 – Que tipo de recepção é detectável nas publicações periódicas portuguesas?

2 – De que forma a divulgação destas realizações contribuiu para a formação e/ou afirmação de novos conceitos novos, por exemplo arquitectura tropical, arquitectura s/arquitectos?

3 – Em que medida as diferentes situações europeias se reflectem num diferente tipo de recepção, designadamente, qual o vínculo com uma perspectiva colonial ou inversamente com uma perspectiva mais disciplinar?
4 – Até que ponto a presença nas publicações periódicas europeias de realizações oriundas de contextos geográficos distantes, contribuiu para a emergência de fenómenos identitários e para a reconstrução de entidades culturais transcontinentais, agora num contexto pós-colonial?

O foco cronológico é o posterior à 1a Grande Guerra até 1974, correspondendo ao período de presença e crescente afirmação das publicações periódicas na formação de um discurso autónomo e ao fim dos grandes ciclos coloniais europeus. De um ponto de vista geográfico pretende-se que o objecto de análise sejam as publicações portuguesas e europeias e as realizações arquitectónicas no Brasil, América Latina, África, Índia e Oceânia.

 

  

Painel 3

Case Studies: Theory and Practice

Paulo Tormenta Pinto / Daniela Simões / Catarina Diz de Almeida

Em “Privacy and Publicity. Modern Architecture as Mass Media” (1994), Beatriz Colomina explorou o contributo da imprensa no estabelecimento do Movimento Moderno, recorrendo aos arquivos de Adolf Loos e Le Corbusier. Em “Clip/Stamp/Fold: The Radical Architecture of Little Magazines 196X- 197X” (2006-2007), exposição com curadoria da mesma autora, foram revisitadas diferentes revistas de Arquitectura e Urbanismo e os seus protagonistas. Estes momentos tornaram-se referenciais na investigação contemporânea sobre a cultura editorial em torno da arquitectura, quer esta se focalize em periódicos especializados ou generalistas. Através do cruzamento entre os vários projectos editoriais é possível identificar contaminações, agenciamentos e orientações programáticas ou de manifestos.

Neste painel temático pretende desencadear-se um debate em torno de casos-de-estudo relativos a publicações sobre arquitectura, procurando descortinar-se, tanto as proximidades ou divergências entre periódicos especializados, como as correlações propiciadas entre o discurso e a produção arquitectónica (teoria e praxis).

Neste sentido, serão aceites trabalhos que promovam o mapeamento de paradigmas, movimentos, contextos, conteúdos presentes nas várias culturas editoriais.

 

Painel 4

Discurso e Disciplina

Rute Figueiredo / Margarida Brito Alves

Ao longo do século XX, o discurso sobre o campo disciplinar da arquitectura alterou-se consideravelmente. Descrevendo um trajecto de oscilações, durante esse período, a relação entre a arquitectura e os outros campos epistémicos — como a arte, a tecnologia e a ciência — tensionou-se entre a afirmação da autonomia disciplinar — identificável não apenas na consolidação do Movimento Moderno na primeira metade do século, mas também, por exemplo, na abordagem neo-racionalista da década de 1970 ou nas perspectivas pós-estruturalistas dos anos 1980 — e uma crescente porosidade na delimitação dos contornos entre diferentes áreas do saber.

Neste contexto, a imprensa periódica de arquitectura constituiu-se como um mecanismo central na discussão de identidades disciplinares e na codificação de novos valores, acabando por reconfigurar a própria lógica de produção e divulgação da cultura arquitectónica.
Partindo da noção de que actualmente os periódicos correspondem a espaços discursivos privilegiados para investigar não apenas as alterações da argumentação teórica sobre a definição de uma identidade epistémica, mas também as reconfigurações que essa mesma identidade vai assumindo através da relação que estabelece com outros campos de conhecimento, esta sessão pretende analisar questões como:

1 – Até que ponto o discurso disciplinar da arquitectura tem sido informado por códigos e valores promovidos e fixados pela imprensa periódica de arquitectura? 
2 – Qual o papel da imprensa periódica na fixação dessas fronteiras disciplinares?

3 – De que modo a produção artística, a actividade científica ou o campo tecnológico têm vindo a constituir-se como campos de influência e de inter-relação, senão mesmo de intersecção, com a Arquitectura?

 

PAINEL 5

Discurso e Ideologia

Paulo Tormenta Pinto / Daniela Simões / Catarina Diz de Almeida

O discurso ideológico está presente, com maior ou menor expressão, na estrutura e orientação de artigos e linhas editoriais de periódicos de arquitectura, funcionando como mecanismo de divulgação de determinado ideário arquitectónico. Através do debate em torno da arquitectura é possível percepcionar tanto as carências e oportunidades associadas aos ciclos económicos, como a proeminência da acção dos vários agentes que operam em torno da construção da cidade e do ordenamento do território.

A ideologia promove relações de dominação, operando na implantação de conceitos que, no caso do discurso arquitectónico envolvem recorrentemente a defesa de estilos, de modos de vida, de características regionais, nacionais ou internacionais. A carga simbólica ou expressiva dos modelos publicados pode relacionar-se com a influência persuasiva de regimes políticos ou de determinados grupos, junto da sociedade em geral.

Neste painel procura abordar-se a relação entre a produção arquitectónica e o discurso ideológico presente nos periódicos da especialidade, através das seguintes questões:


1 – De que modo os periódicos de arquitectura contribuem para a afirmação e expressão de determinado ideário arquitectónico?
2 – De que modo se articula, no espectro dos periódicos de arquitectura o debate entre os vários movimentos na afirmação de determinada orientação ideológica?


3 – Como se verifica a correlação entre as orientações editoriais de arquitectura e os regimes políticos presentes em cada período cronológico?

 

 

Painel 6

Composição social da crítica de arquitectura

Inês Brasão

As revistas e jornais disciplinares podem entender-se como espaços de afirmação de posições e tendências. Ao mesmo tempo, para citar Nuno Portas, no contexto português a arquitectura parece ilibar-se da crítica e do contraditório, ao contrário de outros campos do saber. Apesar de uma genérica sensação de acriticismo, em alguns momentos esta imprensa tem sido palco de rupturas e afirmação de afinidades, recompondo as posições no campo e as relações entre os pares.

Importa, neste quadro, definir até que ponto o panorama da crítica de arquitectura constitui algo que lhe é específico comparativamente com outras áreas (literatura, pintura, escultura, cinema). Definir, também, a cartografia social dessa crítica, sociológica e historicamente. Compreender se o léxico desta crítica constitui algo de específico em relação à crítica produzida em outros saberes e artes.

1 – Quais são, afinal, os atributos que definem a excelência de um crítico no panorama contemporâneo?
2 – Como se relaciona o discurso crítico com a questão do gosto? 

3 – Qual a relação entre a crítica e a atribuição de prémios e outras distinções?

 

Painel 7

Relações entre Arquitectura, Design e Cultura Visual

José Bártolo

As publicações periódicas de arquitectura ofereceram, genericamente, um espaço privilegiado de experimentação de novas formas de representação visual do projecto de arquitectura. A par da representação através do desenho técnico, a fotografia de arquitectura, a ilustração, o desenho e, em alguns casos, o ensaio visual foram meios usados nesse exercício de representação.
Também por esta razão, a importância das publicações periódicas de arquitectura ultrapassa o limite disciplinar e obriga-nos a analisá-las do ponto de vista discursivo, e em particular do design gráfico e da cultura visual. Igualmente ao nível dos conteúdos esta relação se coloca; publicações como A Construção Moderna, Arquitectura ou Binário assumem o interesse por um campo disciplinar alargado que inclui a arquitectura, o design e o urbanismo. Deste interesse resulta uma produção determinante na evolução do design português e do seu enquadramento teórico.

No âmbito do painel Relações entre Arquitectura, Design e Cultura Visual considera-se relevante a análise e discussão dos seguintes tópicos:


1 – A relevância das publicações de arquitectura para a história do design gráfico português

2 – As relações entre a prática projectual e a sua representação discursiva, particularmente ao nível da cultura visual.

3 – As influências de publicações internacionais no design gráfico das publicações nacionais 4 4 – A importância do design e da teoria do design feito por arquitectos

 

Painel 8

O problema da habitação na imprensa periódica de arquitectura: o caso de Macau

Jorge Figueira / Ana Vaz Milheiro / Rogério Vieira de Almeida

A disponibilidade de habitação tem sido um dos problemas de maior premência em Macau nas últimas décadas, sobretudo depois que a liberalização do jogo (1961) levou a um surto de desenvolvimento e de imigração. Essa atratividade abrangeu também a classe dos arquitectos com um número significativo de arquitectos a fazerem grande parte do seu percurso no território.

O presente tema pretende discutir a relação entre a habitação – enquanto questão premente e difícil no território de Macau – e o discurso que a partir desse problema se forma nos mass media em geral e nas publicações periódicas em particular. Em particular pretende-se:


1 – Detectar a especificidade do tema da habitação no contexto de Macau.
2 – Analisar em que medida a prática desenvolvida em Macau a partir de 1961 contribuiu para a formação de um discurso alternativo às práticas que se desenvolviam na metrópole.

3 – Evidenciar a importância da arquitectura na formação de um universo imagético presente em formas diferentes como o cinema, literatura ou imprensa escrita.
4 – Reflectir sobre a relação dialéctica entre as formas de habitação de desenvolvidas num contexto distante e aquelas praticadas em contexto europeu, dentro do quadro da sua recepção nas publicações periódicas.